quarta-feira, 11 de março de 2009




Labirinto-desejo
É aquela velha história... vai ser só uma mísera frutinha, uma mísera maçazinha, um encantamento de nada, uma coisa imperceptível, quase transparente, um invólucro de desejo. Aquela baba que quase ninguem vê, aquela que fica no canto da boca, uma vontade que não passa, e depois vem Liv Tyler com gracinhas de Bertollucci e aquela língua com não sei quantos fios nervosos tem aquela língua na superficie do espelho. Orgasmos de bilheteria eu chamaria isso. Minha saliva espessa, aqueles gemidos baixinhos, de cachorro pedindo atenção pro dono, um olhar de viés, que corta bem no fio do tecido-desejo. Acender o cigarro na hora bem certa e mostrar carinho com os dentes, boca vestida de vermelho. A leve crueldade dos que tem uma única vez. A certeza da pequena morte. Aquele caminho escasso, andarilhos cambaleantes -vinhos baratos- até chegar ao idílio dos meros mortais. O último bem dizer, o último suspiro e “que perfume é esse”? A brincadeira é sempre a mesma, e eu que sou criança vou brincar sempre que quiserem. Muitas luzinhas piscantes daqui até ali, nos seus olhos, cílios mergulhados em goles de absinto. Pisca verde pra mim, resignado nessa tentativa de entender a brincadeira inventada? Atrapalha o meu perfume alta costura que cochichei meio boba no seu ouvido. É aquela velha brincadeira... Uma lembrança do gosto da frutinha, só isso que você precisa. Uma coisa de nada, um quase nao sei o quê and the world falls down.

3 comentários:

cara pálida fora d´água disse...

eu te odeio...

cara pálida fora d´água disse...

o engraçado é que tem dois dias que estou assistindo Labirinto, tipo, uns pedaços antes de dormir...

às vezes parece que somos a mesma pessoa e vc fica lendo meus sonhos, minhas entrelinhas, meus pensamentos de chuveiro e transcreve tudo pra cá sem pedir permissão, como se fosse coisa sua... me dá raiva, medo e vontade de rir...

Ju Nassar disse...

otimo, mexeu com a imaginação!