quinta-feira, 14 de maio de 2009

quando a cena é vc e eu num banco do outro lado da rua, esperando um onibus de meia hora de viagem, e voce me olha bem aqui onde moram as borboletas e diz ja sinto saudades, eu nao duvido, eu acredito.

porque você nem sabe, mas quando estou com você ja estou sentindo sua falta. E olha que é como água, que molha e seca ao mesmo tempo. Que festeja e anuncia a despedida.


Para mim e para a Bárbara.

Um comentário:

henrique vitorino disse...

isso que é beleza espremida do coloquial, rafa! ótimo.

bjs e obrigado!